domingo, 6 de outubro de 2013

A pressão popular acaba com “Ciclo Rosa” em Universidade Católica na Colômbia

Jovens pela vida manifestam diante da Univ. Javeriana
Jovens pela vida manifestam
diante da Univ. Javeriana


O Cardeal arcebispo de Bogotá, Dom Rubén Salazar, o Núncio Apostólico na Colômbia, Mons. Ettore Balestrero, o Pe. Adolfo Nicolás, Preposto Geral dos Jesuítas, e o Pe. Francisco De Roux, Provincial dos Jesuítas na Colômbia decidiam vetar o escandaloso “Ciclo Rosa Acadêmico” na Pontifícia Universidade Javeriana de Bogotá, noticiou a agência “Infocatólica”.

Esse “Ciclo” foi recebido como um acinte contra a catolicidade dos colombianos e dos estudantes que frequentam essa Universidade para receber formação de acordo com a doutrina católica.

Entre as conferências anunciadas sobre temas perversos figuravam: “Reivindicações LGBTI.

O famigerado evento vinha acontecendo havia doze anos. Porém, desta vez, os leigos ultrajados decidiram agir.

A plataforma “Voto Católico Colombia” organizou uma coleta de assinaturas contra esse curso inconcebível numa universidade católica.

O efeito da iniciativa impressionou as maiores autoridades religiosas do país, levando-as a suspender a realização do “Ciclo Rosa” nas dependências daquela universidade.

O secretário-geral da Conferência Episcopal da Colômbia (CEC), Mons. Falla, reconheceu que as referidas autoridades tomaram essa decisão devido à reação dos leigos católicos.

“Acho que neste momento o mais importante foi a pressão que fez o comum dos fiéis”, explicou.

Sem esta iniciativa, tudo indica que a hierarquia eclesiástica teria deixado correr o espantoso “Ciclo” como nos anos anteriores.

Na verdade, os escândalos criados por sacerdotes jesuítas nessa Universidade vinham batendo recordes de blasfêmia e desrespeito.

Ainda segundo “Infocatólica”, o reitor da Universidade, Pe. Sánchez García SJ, também responsabilizou grupos católicos e a agência ACI Prensa “pelos escândalos que aconteceram nas redes sociais ou em Twitter” denunciando o repudiado evento.

Artigo completo em IPCO


Postar um comentário